Friday, 5 December 2014

Psychodrama / Group psychotherapy / Psychoanalytic Psychodrama



Image : Jacob Levy Moreno











            
            Psychodrama

Psychodrama, Sociodrama and Sociometry were created by Jacob Levy Moreno (Marineau, 1992).

Moreno was born in Romania in 1892, grew up in Austria (Vienna), was naturalized in america and died in the US in 1974 (Marineau, 1992).

He was a physician, psychologist, philosopher, Turkish-Jewish playwright and pioneer in group therapy study (Marineau, 1992).

Psychodrama was born in a dramatic theater in Vienna as a new kind of cathartic expression manifested through the spontaneous attitudes within a group setting of interpersonal conflicts approach (Marineau, 1992).

Psychodrama has the therapist (stage manager), its auxiliary egos and the patients (both as actors and audience) providing the basis for the psychodrama method and giving rise to the creation of the term "Group psychotherapy" which was used for the first time by Moreno (Marineau, 1992). 

The Role

Rojas-Bermúdez (1970) argue that, the core of Psychodrama is the drama. Unlike verbal psychotherapy, Psychodrama allows the body manifests a varied of expressions and interactions with others (Rojas, 1970).

The psychodrama action takes place in three phases:

  • Heating, when participants develop a topic and a group protagonist (Rojas, 1970);
  • Representation of dramatic scene, where auxiliaries egos act out the characters with the protagonist and the real or imaginary characters, which are the patient's world of symbols (Rojas, 1970);
  • Sharing of feelings and experiences during the scene, which is the return of the protagonist to the group (Rojas, 1970).

Techniques

According to the Role of Development Theory, the director of Psychodrama will lead, in every situation, the techniques which deems the most appropriate and relevant to the drama point, according to the type of binding expressed in it (Rojas, 1970).

  • The first stage is called double technique where there is the differentiation between "I and you". One of the auxiliary ego plays the title role on stage beside him (Rojas, 1970), verbally and with hand movement complementing what he feels that the protagonist can not express completely, or do not realize that is expressing (Rojas, 1970).
  • The second is called mirror technique, where there is the "Recognition of Self" (Rojas, 1970). The protagonist leaves the stage and takes the audience position in the representation made by an auxiliary ego about him, with the intention that the patient recognizes himself in a particular representation, as well as he recognized his image in the mirror in his infancy. (Rojas, 1970). It provides a vision of yourself from the perspective of the other, acting as factor of perception of your identity (Rojas, 1970).
  • The third stage is called the technique of role reversal, where the "Recognition of You" happens (Rojas, 1970). The protagonist reverses roles with the other characters, acting with the auxiliary egos who take the own role (Rojas, 1970). It is the most important technique in Psychodrama,because it researches and develops the ability to be in relationship, focusing on the perception of the protagonist (and group) of affective and symbolic meanings that this has for the other and, conversely, the other has to with this (Rojas, 1970). For Moreno the relationship can achieve such a degree of intimacy that lead to true existential state "Meeting" (Martin, 1996).

Scene elements

Moreno distinguishes five elements to the psychodrama scene (Rojas, 1970):

  • Scenario: simple facts of life, dreams, delusions, hallucinations (Rojas, 1970).
  • Protagonist: can be an individual, a couple or a group (Rojas, 1970). It's who in Psychodrama, stars in his own drama. Represents himself and his characters are part of it (Rojas, 1970).
  • Director: the psychotherapist group is also the psychodrama director (Rojas, 1970).
  • Auxiliaries: are the people who act with the protagonist and they can be professionals or participants of the public who are invited to climb on the therapeutic stage (Rojas, 1970).
  • Public or audience: are the group members watching the dramatic scene (Rojas, 1970).

The Group psychotherapy

Moreno defines group psychotherapy as "a method of treating, consciously, at the border of an empirical science, interpersonal relationships and mental health problems of individuals in a group ..." (Arts Medicas, 1986).

For Moreno, everyone in the group are therapeutics agents, and the whole group also can be in relation to another group (Medicas Arts, 1986). It is not only about the individuals, but of the whole group, and about the individuals who are in relationship with him (Medicas Arts, 1986). In his sociological relationship he sees the total human society as the real patient (Medicas Arts, 1986).

Moreno sees the concept of meeting as the center of group psychotherapy (Martin, 1996). The meeting live in the "here and now" (Martin, 1996). Goes beyond empathy and transfer (Martin, 1996). Form the "we" (Martin, 1996).

Moreno lists the methods to be used, among which are: "club or association method, advisory, conference, classes, psychoanalytic, visual, free discussion, sociometric, clinical history, bibliography, sessions recorded, music and dance, occupational and laboratory and what stands out is the psychodrama method "(Martin, 1996).

Psychoanalytic Psychodrama

The Psychoanalytic Psychodrama was born in France in 1944, but Argentina is the pioneer country in Psychodrama (Osorio, 2000).
Currently, Brazil and Mexico had an important development in the area of Psychodrama (Osorio, 2000).

Anzieu argue that "... the analytical psychodrama favors the expression of conflicts through symbolic images ... features four important aspects in Psychodrama: dramatization of conflict, symbolic communication, cathartic effect and playful nature."

For Osorio, the Moreno's theory complements unrecognized psychoanalytic concepts and renamed with other names such as the concepts of regression and fixation (Osorio, 2000).

The regression in Psychodrama is not obtained by transferring, but by the dramatic scene that brings past to the present (Osorio, 2000).

Tele and transfer to Moreno are heirs concepts of the Freudian concept of transference (Osorio, 2000).

Spontaneity is related to the Freud's concept of libido (Osorio, 2000). In the dramatic scene to Moreno, "the dramatic representation is liberating, it is a second time, is the way to acquire the past and the future in the present (Almeida, 2006).

The meeting, sharing, creativity and spontaneous act make possible new roles and recover lost energy (Almeida, 2006). This will lead to catharsis of integration and a catharsis from the public (Almeida, 2006).

The scene is the representation of the past, a symbolic place where the imaginary is revealed through current or manifest scenes, as well as making possible to explore and develop conflict situations from the outside world, finding its connection with the inner world of him or from the individuals, in successive dramatic actions with old and unconscious scenes" (Almeida, 2006).

















Mrs Glaucia Barbosa,
PACFA Reg. Provisional 25212 
MCouns, MQCA(Clinical)  


ABN: 19 476 932 954

References
  • Osorio, Luiz Carlos (2000). Groups: theory and practice: connecting to the era of groupality. Porto Alegre: Medical Arts, 210P.
  • Medicas Arts(1986). Group therapy today. Porto Alegre.
  • Martin, Eugenio Garrido 1996). Psychology of the meeting: JL Moreno. São Paulo: Editora Agora.
  • Marineau, René F. (1992). Jacob Levy Moreno, 1889-1974: Father psychodrama, sociometry and group psychotherapy. São Paulo: Editora Agora.
  • Rojas-Bermudez & Jaime G. (1970). Introduction to Psychodrama. London: Master Jou.
  • Almeida, Wilson Castello (2006).Open Psychotherapy: the method of psychodrama, phenomenology and psychoanalysis. São Paulo: Editora Agora.


"Rule of the Psychodrama
 
A meeting of two:
eye to eye,
face to face.

And when you are close,
I will take your eyes and
put them in the place of mine;

And take my eyes
to place them instead of yours;

Then I will see with your eyes
and you see me with mine. "

(Jacob Levy Moreno)






Psicodrama

O Psicodrama, Sociodrama e Sociometria foram criados por Jacob Levy Moreno (Marineau, 1992).

Moreno nasceu na Romenia em 1892, cresceu na Austria (Viena), se naturalizou na america e faleceu nos EUA em 1974 (Marineau, 1992).

Ele foi médico, psicólogo, filósofo, dramaturgo turco-judeu e pioneiro no estudo da terapia de grupo (Marineau, 1992).

O Psicodrama nasceu em um teatro dramático em Viena como uma nova modalidade de expressão catártica manifesta atraves de atitudes espontaneas dentro de um setting de abordagem de conflitos interpessoais grupal (Marineau, 1992).

O Psicodrama conta com a presença do terapeuta (diretor de cena), seus egos auxiliares e os pacientes (tanto como protagonistas como público) servindo de base para o método psicodramático e dando origem a criação da expressão “psicoterapia de grupo" a qual foi utilizada pela primeira vez por Moreno (Marineau, 1992).

A Dramatização

Segundo Rojas-Bermúdez (1970), o núcleo do Psicodrama é a dramatização. Diferente das psicoterapias verbais, o Psicodrama permite o corpo manifeste variadas expressões e interações com outros (Rojas,1970).

A ação psicodramática, acontece em três fases:
  • Aquecimento, quando os participantes desenvolvem um tema e um protagonista grupal (Rojas,1970);
  • Representação da cena dramática, onde egos-auxiliares encenam os personagens contracenando com o protagonista e os personagens reais ou fantasiosos, que sao símbolos do mundo do paciente (Rojas,1970);
  • Compartilhamento dos sentimentos e vivências durante a cena, que é o retorno do protagonista ao grupo (Rojas,1970).

Técnicas

Seguindo a Teoria do Desenvolvimento dos Papéis, o diretor do Psicodrama instrumentará, em cada situação, as técnicas que lhe pareçam mais adequadas e correspondentes ao momento do drama, segundo o tipo de vinculação que nele se expressa (Rojas,1970):

  • A primeira etapa chama-se técnica do duplo onde há a indiferenciação do “Eu e do Tu”. Um ego-auxiliar desempenha o papel do protagonista no palco, ao lado dele(Rojas,1970). Verbal e gestualmente complementa aquilo que, sente que o protagonista não pode expressar completamente, ou que não se dá conta de que está expressando(Rojas,1970).
  • A segunda chama-se técnica do espelho, onde ha o “Reconhecimento do Eu”(Rojas,1970). O protagonista sai do palco e assume a posição de platéia na representação que um ego-auxiliar faz dele, com a intenção de que o paciente se reconheça em determinada representação, assim como na sua infância reconheceu sua imagem no espelho(Rojas,1970). Proporciona visão de si próprio sob a ótica do outro, agindo como fator de percepção de sua identidade(Rojas,1970).
  • A terceira etapa chama-se técnica da inversão de papéis, onde ocorre o “Reconhecimento do Tu”(Rojas,1970). O protagonista inverte papéis com os outros personagens, contracenando com os egos-auxiliares que tomam seu próprio papel (Rojas,1970). É a técnica mais importante no Psicodrama, pois é a que investiga e desenvolve a possibilidade de estar em relação, privilegiando a percepção do protagonista (e grupo) dos significados afetivos e simbólicos que este tem para o outro e, reciprocamente, o outro tem para com este (Rojas,1970). Para Moreno a relação pode atingir tal grau de intimidade que levaria ao estado existencial do verdadeiro "Encontro" (Martin,1996).

Elementos da cena

Moreno distingue cinco elementos para a cena psicodramática (Rojas,1970):

  • Cenário: fatos simples da vida cotidiana, sonhos, delírios, alucinações (Rojas,1970).
  • Protagonista: pode ser um indivíduo, uma dupla ou um grupo (Rojas,1970). É quem, em Psicodrama, protagoniza seu próprio drama. Representa a si mesmo e seus personagens são parte dele (Rojas,1970).
  • Diretor: o psicoterapeuta do grupo é também o diretor psicodramático (Rojas,1970).
  • Egos-auxiliares: são as pessoas que contracenam com o protagonista, podendo ser profissionais ou participantes do público que são convidados a subir no palco terapêutico (Rojas,1970).
  • Público ou platéia: são os membros do grupo que participam assistindo a cena dramática (Rojas,1970).

A Psicoterapia de grupo

Moreno define a psicoterapia de grupo como “um método para tratar, conscientemente, na fronteira de uma ciência empírica, as relações interpessoais e os problemas psíquicos dos indivíduos de um grupo...” (Artes Medicas, 1986).

Para Moreno, todos no grupo são agentes teraupêticos, e todo o grupo também o pode ser em relação a outro grupo (Artes Medicas, 1986). Não trata somente dos indivíduos, mas de todo o grupo, e dos indivíduos que estão em relação com ele (Artes Medicas, 1986). Em sua relação sociológica vê a sociedade humana total como o verdadeiro paciente (Artes Medicas, 1986).

Moreno ve o conceito de encontro como o centro da psicoterapia de grupo (Martin,1996). O encontro vive no "aqui e agora" (Martin,1996). Vai mais além da empatia e da transferência (Martin,1996). Forma o "nós" (Martin,1996).

Moreno enumera os métodos a serem utilizados, entre os quais destacam-se: “método de clube ou associação, de assessoramento, de conferência, de classes, psicanalítico, visuais, discussão livre, sociométricos, de histórias clínicas, da bibliografia, magnetofônico (sessões gravadas), da música e da dança, ocupacionais e laboratoriais e o que se destaca é o método psicodramático”(Martin,1996).

Psicodrama psicanalítico

O Psicodrama Psicanalítico nasceu na França em 1944, mas a Argentina é o país pioneiro em Psicodrama (Osorio, 2000). Atualmente, Brasil e México tiveram importante desenvolvimento na area do psicodrama(Osorio, 2000).

Conforme Anzieu "...o Psicodrama analítico favorece a expressão dos conflitos por intermédio de imagens simbólicas... caracteriza quatro aspectos importantes no Psicodrama: dramatização dos conflitos, comunicação simbólica, efeito catártico e natureza lúdica”.

Para Osório, a teoria moreniana complementa conceitos psicanalíticos não reconhecidos e rebatizados com outros nomes, como os conceitos de regressão e fixação (Osorio, 2000).

A regressão em Psicodrama não se obtém através da transferência, mas através de cena dramática que torna presente o passado (Osorio, 2000).

Tele e transferência para Moreno são conceitos herdeiros do conceito de transferência freudiano (Osorio, 2000).

Espontaneidade, está relacionada com o conceito de libido de Freud (Osorio, 2000). Na cena dramática, para Moreno, “a representação dramática é liberadora, é uma segunda vez, é a forma que adquirem o passado e o futuro, no presente (Almeida, 2006).

O encontro, o compartilhar, a criatividade e o ato espontâneo possibilitam novos papéis e resgatam energias perdidas (Almeida, 2006). Isto levará a uma catartase de integração e a uma catarse do público (Almeida, 2006).

A cena é a representação do passado, um lugar simbólico onde se revela o imaginário através das cenas atuais ou manifestas, podendo explorar e elaborar situações conflitivas do mundo externo, encontrando sua conexão com o mundo interno dele ou dos indivíduos, em sucessivas ações dramáticas com cenas antigas e inconscientes” (Almeida, 2006).


Mrs Glaucia Barbosa,
PACFA Reg. Provisional 25212 
MCouns, MQCA(Clinical)  
 
ABN: 19 476 932 954

Referências
  • Osorio, Luiz Carlos (2000). Grupos : teoria e prática : acessando a era da grupalidade. Porto Alegre: Artes Médicas, 210p.
  • Artes Medicas (1986). Grupoterapia Hoje. Porto Alegre.
  • Martin, Eugenio Garrido(1996). Psicologia do encontro: J.L. Moreno. São Paulo: Editora Ágora
  • Marineau, René F. (1992). Jacob Levy Moreno, 1889-1974: pai do psicodrama, da sociometria e da psicoterapia de grupo. São Paulo: Editora Ágora
  • Rojas-Bermude & Jaime G. (1970). Introdução ao Psicodrama. São Paulo: Mestre Jou
  • Almeida, Wilson Castello (2006). Psicoterapia aberta: o método do psicodrama, a fenomenologia e a psicanálise. São Paulo: Editora Ágora.


Lema do Psicodrama

Um Encontro de dois:
olhos nos olhos,
face a face.

E quando estiveres perto,
arrancar-te-ei os olhos e
colocá-los-ei no lugar dos meus;

E arrancarei meus olhos
para colocá-los no lugar dos teus;

Então ver-te-ei com os teus olhos
e tu ver-me-ás com os meus”.

(Jacob Levy Moreno)


No comments:

Post a comment